Total de visualizações de página

domingo, 22 de janeiro de 2017

LEMBRA-TE QUE ÉS MORTAL

The Triumph of Titus and Vespasian - Giulio Romano (1499-1546)
O Triumphus Romanus - era uma cerimônia civil e rito religioso da Roma Antiga, feito para homenagear publicamente o comandante militar de uma guerra ou campanha no estrangeiro notavelmente bem sucedida e para exibir as glórias da vitória romana. Aqueles que recebiam esta distinção eram denominados triunfadores.

Um triunfo romano era realizado para comemorar publicamente as realizações de um comandante do exército que tinha sido bem sucedido em uma investida militar. Originalmente e tradicionalmente, que ele e o seu exército tinham concluído com êxito uma guerra. O general triunfante era chamado de vir triumphalis (homem triunfador), e mantinha o direito de ser descrito como tal pelo resto de sua vida.

O triunfo foi a maior e a mais procurada honra entre a nobreza hereditária que construiu e governou o Império Romano, cuja ética era essencialmente a de uma classe dominante agrícola e militante. Depois de sua morte, enquanto sua família estava enlutada, ele era representado no funeral de cada descendente por um ator contratado usando sua máscara de morte (imago) e vestido com toda a toga picta triunfal roxa e dourada que simbolizava a suprema realização de sua vida.

Para receber um triunfo, o dux (líder) deveria:

1. Ganhar uma vitória significativa sobre um inimigo estrangeiro, matando pelo menos cinco mil tropas inimigas, e ganhando o título de imperador.
2. Ser um magistrado eleito com o poder do império, ou seja, um ditador, cônsul ou um pretor.
3. Trazer o exército para casa, significando que a guerra havia terminado e o exército não era mais necessário. Claro que isso só se aplicava à era republicana quando o exército era um exército de cidadãos. Pelo período imperial, quando o exército era profissional, o triunfo apropriado era reservado para o imperador e sua família. Se um general fosse premiado com um triunfo pelo imperador, ele marcharia com um número simbólico de suas tropas.

A última exigência, por vezes, levou a que os homens merecedores lhes fossem negados seus triunfos, ou triunfos sendo concedidos em bases duvidosas. Deve-se notar que o inimigo teria que ser estrangeiro. Conflitos internos, em teoria, não merecia triunfos. O exército também tinha que ser de igual status. Derrotar uma revolta de escravos não era motivo de triunfo. Muitas vezes, uma ovação era concedida para uma campanha bem-sucedida que não satisfizesse os requisitos de um triunfo total. Após o estabelecimento do Principado, apenas os membros da família Imperial foram recompensados com triunfos. Outros cidadãos foram recompensados com Ornamenta triumphalia (ornamentos triunfais) para que a família Imperial pudesse manter a ordem e assegurar o poder.

A ordem normal do desfile triunfal era:

1. O Senado, dirigido pelos magistrados sem seus lictores (funcionários públicos encarregados de ir a frente de um magistrado com feixes de varas denominados fasces, abrindo espaço para que esse pudesse passar).
2. Trompetistas.
3. Carros com os despojos da guerra para demonstrar os benefícios concretos da vitória.
4. Touros brancos para o sacrifício.
5. Os braços e as insígnias dos líderes do inimigo conquistado.
6. Os próprios líderes inimigos, com seus parentes e outros cativos.
7. Os lictores do Imperador, seus fasces enrolados com laurel.
8. O próprio imperador em uma carruagem puxada por dois cavalos (mais tarde quatro).
9. Os filhos adultos e oficiais do imperador.
10. O exército sem armas ou armaduras (uma vez que a procissão iria levá-los dentro do pomerium - fronteira simbólica de Roma), mas vestindo togas e grinaldas. Durante os períodos posteriores, apenas uma companhia selecionada de soldados seguiria o comandante no triunfo.

O Imperador tinha o rosto pintado de vermelho e usava uma coroa triumphalis, uma túnica palmata e uma toga picta (pintada). 



Tradicionalmente, acredita-se que era acompanhado em sua carruagem por um escravo segurando uma coroa de ouro acima da cabeça e constantemente lembrando o comandante de sua mortalidade, sussurrando em seu ouvido. As palavras que o escravo diz ter usado não são conhecidas, mas as sugestões tradicionais incluem: "Respica te, hominem te memento" (olhe atrás de você, lembre-se que você é apenas um homem) e "Memento mori" (lembra-te que és mortal).



Muitas vezes, a ordem de progressão triunfal foi variada pelo triunfador, acrescentando animais exóticos, músicos e escravos carregando imagens de cidades conquistadas e sinais com os nomes de pessoas conquistadas. Devido aos muitos estágios de um triunfo listados acima, Gaius Suetonius Tranquillus (69-140 d.C.), Historiador Romano, alega que o imperador Vespasiano lamentou seu próprio triunfo porque o seu comprimento vasto e movimento era lento entediado ele.



A Cerimônia

A cerimônia do triunfo começava com o triunfador caminhando fora das muralhas servianas no Campo de Mártir, na margem ocidental do Rio Tibre. Ele então entraria na cidade em seu carro através da Porta Triumphalis, só aberto para estas ocasiões. Ele então entrava no pomerium e tecnicamente entregava o seu comando. Na porta, o triunfador era recebido pelo senado e pelos magistrados, que o acompanhavam. O desfile prosseguia pelas ruas de Roma sob uma estrita rota. A progressão seguia ao longo da Via Triumphalis Circus Faminius e o Circus Maximus. Às vezes (nem sempre) o governante inimigo capturado era levado para o Tallianum (Prisão Mamertina no Fórum de Roma) onde ele seria estrangulado.

Fonte:
Roma Fan Wiki - Entertainment In Ancient Rome
Disponível em: http://romewiki.wikifoundry.com/page/Entertainment+In+Ancient+Rome
Acesso em: 22/01/2017.

Prof. Nelson de Paula Pereira
Historiador
contato@nelsondepaula.com
www.nelsondepaula.com

Nenhum comentário: